10 lugares no mundo para viajar e se sentir pequeno

Gosto de conhecer lugares grandiosos que facilmente conseguem me mostrar o quão pequeno sou próximo a tudo aquilo que posso construir. Confira alguns dos lugares em que mais consegui encontrar o meu verdadeiro lugar no mundo.

Quando viajo eu procuro na realidade encontrar a mim mesmo. Não tem nada a ver com os destinos, mas sim com tudo aquilo que acontece desde a hora que eu saio com a minha bagagem da minha casa até a hora que eu retorno. Parece que a alma da gente volta meio revirada com tanta novidade, passando por lugares que até então conhecíamos dos livros de Geografia, ou das horas e mais horas investidas explorando o mundo no computador.

Hoje venho compartilhar com você 10 dos lugares em que já visitei nesta vida e que confesso que foram destinos que me fizeram sentir pequeno, que facilmente mostraram o meu lugar no mundo. São lugares ou atividades que realizei que sem uma palavra sequer, conseguiram me mostrar o quão vasto, diverso e espetacular é o nosso planeta em que nos foi permitido viver. Confira então 10 lugares (e um bônus!) ao redor do mundo que vão te fazer sentir pequeno, vão te mostrar o quanto vale a pena lutar pela vida, abrir a mente para o novo, quebrar a zona que conforta ;)

Pirâmides do Egito

Pirâmides do Egito
Pequenino diante de tamanha grandiosidade - nas Pirâmides do Egito

Quando vi que iria pro Egito um dia na vida eu olhei bem no espelho e falei assim pra mim mesmo: "Chegou a hora de conhecer um dos lugares mais excêntricos do planeta". Quando cheguei nas pirâmides eu sequer teria condições de compreender o quanto aquele lugar me mostrou o quanto eu ainda sou uma poeira cósmica nesse planeta. Caminhar nas areias escaldantes da cidade do Cairo para conseguir ver de perto essas pirâmides e contemplar perplexo o quanto essas edificações ainda são enigmáticas é uma atividade capaz de lhe fazer repensar o que está fazendo na sua vida.

Cânion del Colca, Peru

Chivay, cidadela no Cânion del Colca
Chivay, cidadela no Cânion del Colca

Quando tive a oportunidade de pernoitar na cidadela de Chivay, cravada no meio da imensidão do vale do Colca, eu também não estava preparado para reconhecer que ali no meio do nada eu contemplaria o mundo com outros olhos face a tudo aquilo que consegui aprender sobre eu mesmo sozinho caminhando sem rumo nesse pequenino vilarejo localizado nos cafundós de um dos mais profundos cânions do nosso planeta.

Jellyfish Lake no Palau

Águas vivas no Palau
Mergulhando em meio a milhares de águas vivas no Palau

Eu mergulhava fundo e não encontrava o chão. Eu travava a minha respiração, fechava meus olhos e afundava de cabeça batendo forte as pernas. Quando eu abria o olhos novamente, estava rodeado por essas criaturas por todos os lados, quanto mais eu afundava, mais eu me via rodeado por centenas de milhares de águas vivas em um lago das Rock Islands, em uma micro nação entre a Oceania e a Micronésia chamada Palau. Esta foi uma das experiências que eu realizei que definitivamente me colocaram no meu lugar no mundo. Quão pequeno era eu em meio a milhares de águas vivas!

Petra na Jordânia

Petra na Jordânia
Consegue ver as pessoas nessa foto? Petra na Jordânia

Edificações verticais talhadas em gigantescas rochas. Mais ou menos isso é Petra, uma das preciosidades arqueológicas presentes em nosso planeta e que me fizeram sentir o quão ínfimos ainda somos diante de tão grandiosas construções presentes em nosso planeta. Quando visitamos a cidade de Petra, foi necessário caminhar por várias horas no escaldante deserto jordaniano para conseguir obter as melhores vistas panorâmicas dos grandes templos. Era notório o meu tamanho próximo até mesmo do próprio alicerce de cada um dos grandes prédios, faz a gente ver que não precisamos ser tão arrogantes no mundo, não precisamos guardar mágoas ou rancores, pois na realidade somos apenas um mísero grão de areia nesse grande deserto.

Manhattan em Nova York

Manhattan - Nova Iorque
Vista metropólica de Manhattan - Nova Iorque

Acredito que o distrito nova-iorquino de Manhattan é a mais perfeita obra prima da engenharia moderna. Caminhar em meio às ruas de Lower Manhattan é um convite ao reconhecimento do quão pequeninos somos em meio ao ambiente em que vivemos. Para ter uma noção ainda melhor do quanto de ferro e concreto foi necessário para construir a face sul de Manhattan, vá ao Brooklyn Bridge Park, lugar estratégico para quem quer apreciar o quão massivos são esses edifícios e o quão pequenos ficamos próximos a eles. Contemplar lugares assim faz com que sejamos mais humildes em nossas atitudes, vemos que realmente somos muito pequenos próximo a tudo que nossas próprias mãos podem construir.

Monte Kilimanjaro na Tanzânia

Topo do Kilimanjaro - África
Iniciando a descida desde o topo do Kilimanjaro

Ta aí um dos lugares em que eu mais me senti ínfimo diante do poder da natureza e da força do nosso próprio planeta. Eu sequer conseguia coordenar os passos que eu dava depois que alcancei o topo. Aqui eu vi que qualquer deslize me mataria, qualquer mudança climática bruta poderia nos dilacerar no topo da África. Aqui eu internalizei meus desejos de mudança, converti meus pensamentos minimalistas, externei meu desejo de mudança, meu reconhecimento de que realmente sou muito pequeno para tentar causar encrenca para qualquer pessoa, que tenho que lutar mesmo é para espalhar o amor, semear a paz e motivar as pessoas que estão ao meu redor :)

Caminhando perdido por Moscou na Rússia

Moscou, Rússia
No coração de Moscou, Rússia

Prédios gigantescos em rodovias que parecem ser intermináveis. Você abre o GPS e se vê como aquele pequenino pontinho azul no meio de uma alucinante metrópole russa, com construções massivas por todos os lados. Me senti muito pequeno enquanto caminhava sem rumo nas tardes frias de Moscou, esta cidade demonstra o quão vasta é a Rússia e quão pequenos podemos ser diante desta metrópole.

Nos metrôs de Xangai

Metrô de Xangai
Perdido no metrô de Xangai

Quer se sentir como uma formiguinha no meio de um mundo completamente atípico, diferente da sua realidade? Pega um avião e vai pra Xangai. Lá, tente visitar algum lugar usando qualquer uma das estações de metrô. Você vai ver que é apenas mais um em um mundo que já tem gente demais! E sabe o que é o melhor nisso? Reconhecer a sua singularidade! Saber que você é único e terá características exclusivas mesmo estando imerso em um lugar onde milhões de pessoas estão juntas.

Dentro de um dos parques de Orlando

parques de Orlando
Fácil se sentir pequeno meio à grandiosidade dos parques de Orlando

Por incrível que pareça, é fácil se sentir pequeno em qualquer um dos parques temáticos em Orlando nos Estados Unidos. Há tanta gente, tanta fila, tanto o que ver e fazer que pode parecer até engraçado, mas é muito fácil se sentir pequeno e ínfimo no meio de tanta informação. Tente estacionar o carro em um dia lotado de sol e calor em um dos parques de Orlando e esqueça o número do lugar onde estacionou. Volte algumas horas depois e tente encontrar seu carro. Você vai entender o que é ser pequeno (kkkk)

Grand Canyon, Estados Unidos

Grand Canyon nos Estados Unidos
Fazendo parte das paisagens grandiosas do Grand Canyon nos Estados Unidos

Arrematando o post, outro lugar também nos Estados Unidos que sequer precisa se esforçar para fazer com que seus visitantes se sintam pequeninos diante da grandiosa natureza exuberante é o Grand Canyon, um dos lugares mais visitados na América do Norte e que tem uma capacidade surpreendente de colocar as pessoas para pensar na vida, afinal de contas parece que as paisagens por ali são tão grandiosas que parecemos verdadeiramente ciscos de areia no meio de um grande deserto.

Bônus - Mochilando no Sudeste da África

Gente saindo até pelas janelas nos coletivos africanos
Gente saindo até pelas janelas nos coletivos africanos

Agora sim! Um bônus que expressa verdadeiramente aquilo que a matéria quis dizer o tempo todo. Para reconhecer o nosso lugar no mundo é preciso primeiro compreender um pouco daquilo que o mundo realmente é. Viajar pela África é voltar ao passado, é experimentar aquilo de melhor que até então não é possível comprar: podemos ver que não somos muitas vezes a prioridade que existe no planeta. Há casos com mais urgência do que o nosso. Faz com que a gente seja um pouco mais paciente com a nossa realidade. Lapida a nossa personalidade, transforma positivamente o caráter e faz com que sejamos pessoas melhores. É por isso que viajo: para me sentir pequeno, para ver qual é o meu verdadeiro lugar nessa maravilhoso mundo! Curtiu? Compartilha e comenta então hein :)

Luiz Jr. Fernandes
Autor

Luiz Jr. Fernandes

Analista de TI, empresário, fotógrafo e viajante.
Perfil do autor no , facebook e twitter.

Veja nossas últimas matérias
Clique para ver mais matérias