De metrô e minibus para conhecer as pirâmides do Egito

Um dos destinos mais procurados por viajantes internacionais no Oriente Médio é definitivamente as Pirâmides do Egito, localizadas no distrito de Giza, um pouco distante do centro da cidade do Cairo. Nós usamos uma corrida de metrô e um minibus para chegar lá da forma mais econômica possível e compartilhamos com vocês algumas dicas para quando for a sua vez de conhecer as pirâmides.

Minhas 24 horas no Egito seriam brevemente intensas. O impacto das mudanças que um novo país, com novos referenciais fica bem evidente a todos que desembarcam no Cairo. Uma nação vibrante, com pessoas excepcionalmente excêntricas e isso não apenas por sua cultura, ou por como todos levam a rotina diária, mas principalmente pela receptividade a nós estrangeiros. Num primeiro momento eu aguardava conhecer essa nova nação com um certo temor em caminhar pelas ruas, justamente por conta das recentes reformas políticas recentes e seus impactos na sociedade em geral.

Cortamos qualquer receio de nossos espíritos ao decidir que não haveria melhor forma para viver a Cidade do Cairo justamente como seus locais a vivem. Seria muito fácil descer as escadas do hostel que nos abrigou por uma noite, chegar na beira da rua e gritar por um taxi solicitando ao motorista que nos deixasse na porta das Pirâmides de Giza. Muito fácil, muito conveniente e nada parecido com o que a gente gosta de fazer, né não? Então partímos para as ruas e fomos tentar encontrar a melhor forma, a mais econômica, e a solução estava bem debaixo dos nossos pés: ir para as pirâmides usando o metrô da cidade do Cairo.

De metrô na Caotic Cairo rumo às Pirâmides
De metrô na Caotic Cairo rumo às Pirâmides

Para ser sincero foi tão fácil e barato quanto seria em Nova York. Não foi preciso sofrer um segundo sequer. Bastou descer na estação mais próxima, ainda na Ramsés Street e perguntar qual lugar era o mais próxima das pirâmides para o próprio vendedor de tickets, e custou menos do que 1 dólar.

Pegamos a linha de metro número 2, desembarcando na estação GIZA, mas o trem não vai até próximo do portal das pirâmides: é preciso pegar uma minivan por cerca de 50 centavos e continuar no caminho até Al Haram, também conhecida por GIZA NECROPOLIS, que efetivamente é o lugar onde existem as famosas pirâmides e a esfinge.

Caminhando pelas ruas da capital do Egito
Caminhando pelas ruas da capital do Egito

Alertamos ao motorista que nos indicasse o lugar mais próximo para ir conhecer as pirâmides e logo um senhor sentou ao meu lado e começou a fazer um montão de perguntas, querendo "me conhecer melhor". Por padrão não sou o tipo de viajante que gosta de ficar trocando idéias com estranhos enquanto estou a caminho de um lugar muito assediado pela exploração turística. Isso pois ficou em poucos minutos bastante evidente que este senhor era uma espécie de "atravessador", querendo nos conhecer melhor a fim de tentar ganhar alguns trocados da forma que fosse.

Quando descemos do minibus, na Pyramids Road, o velhote insistiu em caminhar na nossa cola. Foi preciso caminhar ainda algumas quadras depois que o ônibus nos deixou e o senhorzinho fez questão de sair correndo atrás querendo nos guiar. Enquanto isso nos perdíamos nas ruas próximas às pirâmides para conhecer um pouco melhor a vida normal das pessoas que residem nas vizinhanças de uma das paisagens mais procuradas por viajantes ao redor do planeta.

Pessoas amigáveis e sempre com um sorriso no rosto
Pessoas amigáveis e sempre com um sorriso no rosto

Foi preciso ser sincero com o velho e dizer que não era para ele caminhar atrás do nosso grupo, que não precisávamos de guia, que não queriamos de fato a ajuda dele para nada. Ele ficou um pouco contido e disse que queria dinheiro pela conversa que já havia tido conosco, que já estaria de uma forma ou de outra "trabalhando". Um clássico scammer do Egito, um enganador, um estelionatário querendo por tudo ganhar uns trocados a mais. Nos recusamos a dar qualquer quantia e seguimos calados na direção de ruas mais movimentadas, logo quando viu que era perda de tempo o senhor nos deixou e seguiu na direção contrária. E nós seguimos rumo ao caminho que levava até a entrada das pirâmides, tentando de uma forma ou de outra conversar com as pessoas, interagir de forma saudável com os locais e sempre atentos a qualquer pessoa que quisesse se aproveitar de nós por sermos estrangeiros.

Algo ficou bem evidente: a poluição está incontrolável pelas ruas do Cairo. Parece que não existe nenhuma espécie de coleta de lixo pelas ruas. Em todos os cantos é possível avistar montanhas de sacolas com restos de comida, lixo orgânico e até não duvidaria se encontrasse excrementos humanos. Uma triste realidade que se agravaria ainda mais enquanto conheciamos outras vias importantes da capital do Egito.

Um exemplo da sujeira pelas ruas do Cairo
Um exemplo da sujeira pelas ruas do Cairo

Há uma série de viajantes que preferem ficar hospedados próximos das pirâmides, no distrito de Giza, que de uma forma ou de outra é bem distante de Cairo downtown. Eu queria muito experimentar um pouco de tudo, então foi essa opção de ficar na Ramsés Street que fez com que tivesse uma breve experiência caminhando a noite pelas ruas do centro e de uma forma ou de outra aprendendo a melhor forma de chegar do centro até as imediações das Giza Pyramids. Na próxima matéria desta série, convidarei vocês a uma breve introdução sobre as Pirâmides do Egito, vou contar mais detalhes sobre essa visita a uma das mais caóticas cidades do Oriente Médio. Não vai perder né não?!

Luiz Jr. Fernandes
Autor

Luiz Jr. Fernandes

Analista de TI, empresário, fotógrafo e viajante.
Perfil do autor no , facebook e twitter.

Veja nossas últimas matérias
Clique para ver mais matérias