Ilhas Seychelles para mortais: conheci Mahé, Praslin e La Digue!

Visitei recentemente as Ilhas Seychelles e hoje conto um pouco pra vocês de tudo que realizamos por lá com o mínimo de custo possível =D

Hoje resolvi tirar um tempo para escrever sobre as Ilhas Seychelles. Os últimos dias têm sido tão corridos que de fato ainda não tirei o tempo pra escrever um pouquinho pra vocês sobre o paraíso na terra chamado de Seychelles. No finalzinho de dezembro a gente chegou de uma viagem lindíssima na qual percorremos um pouco das 3 principais ilhas: Mahé, Praslin e La Digue.

Tudo começou uns meses atrás quando o Programa Amigo da Avianca começou a emitir trechos da Star Alliance, alguns de fato a preço de banana. Pois bem, nessa oportunidade nós emitimos ida e volta em executiva desde Guarulhos até Mahé por 120.000 pontos em EXECUTIVA (ou 60.000 pontos livelo). O valor líquido do preço investido nos voos pode ser cotado em menos de R$ 2.000,00. Uma vez com tickets em mãos, foi só colocar no piloto automático e desfrutar dos serviços de alto nível da Ethiopian e da Turkish Airlines.

Ilhas Seychelles: viajando de executiva pro paraíso

Executiva entre Mahé e Istambul - Ilhas Seychelles
Executiva entre Mahé e Istambul com a Turkish

Eu jamais imaginaria que um dia iria conseguir desfrutar de uma tarifa tão barata para um lugar que sempre sonhei em visitar. As Ilhas Seychelles pra mim sempre estiveram num patamar de paraíso do porte da Polinésia Francesa, do Palau, ou ainda das Maldivas. E de FATO ESTÃO! Sim, que lugar incrível, de uma cultura espetacular, de pessoas super amigáveis, de uma gastronomia crioula sensacional e de preços super atrativos também.

É de fato esse destino foi super acessível com relação a custos, gostamos de pagar os 4 dólares por refeição, também amamos pagar 15 reais por uma diária de bicicleta Mountain Bike e em geral as hospedagens sempre saiam por cerca de 100 reais por pessoa. Em média um carro alugado nas ilhas menores estava saindo por até 40 euros a diária, tudo acessível, nada exorbitante ou aquém da realidade dos custos nos destinos brasileiros.

Conhecendo Mahé, a ilha principal

Mergulhando no mar paradisíaco das Seychelles
Mergulhando no mar paradisíaco das Seychelles

Eu fiquei em Mahé por dois dias, em um deles choveu muito e isso limitou nosso tempo de exposição às praias. Contudo foi legal conhecer a capital, passamos uns dias bem legais por ali. Ficamos hospedados perto do aeroporto da ilha, em um lugar chamado Villa Verdure, de fato um lugarzinho legal pra famílias, com estrutura pra cozinhar, pertinho de tudo, com um ponto de ônibus bem abaixo na rodovia principal.

Nessa ilha dá pra fazer tudo de coletivo enquanto há luz do dia. Durante a noite é melhor ter um carro alugado ou quem sabe ficar no próprio hotel. Gostamos dos primeiros contatos com o ritmo de vida nas Ilhas Seychelles, foi ali que conhecemos o take away (o marmitex das Seychelles), aprendemos um pouco sobre a cultura regional, culinária e também foi importante para tomarmos as decisões que nos levariam a conhecer as outras ilhas.

De Mahé a Praslin nas Ilhas Seychelles

Voando com a Air Seychelles de Mahé pra Praslin
Voando com a Air Seychelles de Mahé pra Praslin

Nós preferimos voar nessa oportunidade. É possível ir de ferry boat também, mas o preço era bem parecido, por umas poucas dezenas de reais a mais a gente poderia fazer o trajeto voando, então optamos por ir de teco-teco. E que boa decisão viu pessoal! Foi possível obter vistas espetaculares do Índico nos arredores do arquipélago. É bom ficar atento pois o preço dos voos e dos deslocamentos em ferry são diferentes para locais e turistas, é nessa hora que dá aquela vontade de ser nativo né, mas aqui eles conferem direitinho (a gente paga tipo 10 vezes mais do que os locais).

Uma vez em Praslin, como é uma ilha maior e com um fluxo menor de coletivos do que Mahé, decidimos alugar um carro. Foi a decisão mais acertada. Conseguimos pegar o carro no aeroporto e devolvemos no cais onde pegamos o ferry pra outra ilha menorzinha chamada La Digue. Nós rodamos por Praslin consumindo cada quilômetro com os olhos ávidos de quem está descobrindo um novo destino pela primeira vez. Ali nós fomos ficamos de praia em praia fotografando, nadando, explorando corais com snorkel e admirando o esplendor daquele lugar maravilhoso.

O que fazer em Praslin

Anse Georgette em Praslin
Anse Georgette em Praslin

Nós ficamos o tempo todo indo de praia em praia, maravilhados pela beleza monumental daquelas praias, cada uma mais linda que a outra! De fato ali estão algumas das praias mais lindas do mundo segundo vários escritores mundialmente respeitados. E não duvido disso mesmo não viu, de todos os lugares que eu já fui na vida, sem dúvidas a ilha de Praslin passou a encabeçar o topo dos destinos com praias mais lindas e acessíveis nos países que já visitei.

Ali ficamos de bobeira três dias entre a Anse Lazie e a Anse Georgette, as duas praias ficam em extremidades da ilha, entre elas uma rodovia conecta os principais vilarejos, várias propriedades privadas e uma quantidade de praias desertas que de fato eu só vi até hoje em destinos de altíssimo nível (como na Polinésia por exemplo.)

De Praslin pra La Digue

Uma das praias desertas de La Digue
Uma das praias desertas de La Digue nas Ilhas Seychelles

De Praslin pra La Digue é rapidinho, cerca de uns 10 a 15 minutos no ferry boat. Uma vez em La Digue mudamos mais uma vez a metodologia de deslocamento, passamos a utilizar bicicletas. Que lugar amigos(as), que lugar MONUMENTAL! La Digue é pequenina, dá pra fazer de ponta a ponta pedalando. Ter passado pelo coletivo em Mahé, depois de carro em Praslin, me pareceu uma adaptação espetacular à vibe do ambiente estar todo mundo de bike.

A gente conheceu cada lugar em La Digue, putz, eu ficava impressionado com cada praia que a gente conhecia. Acho que se for pra pensar bem, La Digue é melhor de praia até mesmo do que Praslin, pois tem a aventura de chegar a uma praia de bicicleta, fazer uma trilha no meio do mato nativo e chegar em um lugar paradisíaco, com água cristalina e com ondas tão agradáveis que dá até pra dormir fácil enquanto ficamos de bobeira tomando banho de mar.

Concluindo

Foram cerca de 10 dias explorando as ilhas de Mahé, Praslin e La Digue e confesso pra vocês que ficou aquele gostinho de quero mais. É o tipo de lugar que você tem que ir pra passar logo um mês! Dá pra visitar outras ilhas partindo de Praslin, La Digue e Mahé, tem hotéis incríveis (e exorbitantemente caros), também dá pra ficar em pousadinhas e até casas familiares. Gostamos da experiência, aprovamos o destino, voltamos pra casa com o Coco de Mer estampando uma página no passaporte e de fato a certeza de que ali pode ser facilmente um destino de lua de mel. Curtiu?! Gostou das fotos? Deixa seu comentário ai logo a seguir!

Luiz Jr. Fernandes
Autor

Luiz Jr. Fernandes

Analista de TI, empresário, fotógrafo e viajante.
Perfil do autor no , facebook e twitter.

Veja nossas últimas matérias
Clique para ver mais matérias