Primeiras impressões sobre San Andrés e Providência

Introduzo a vocês algumas das minhas primeiras impressões sobre as ilhas de San Andrés e Providência, no Caribe colombiano, lugar em que por 10 dias me aventurei acima e abaixo do nível do mar. Conheça um pouco do que vem por aí nas próximas matérias do Blog Boa Viagem.

Neste momento estou sentado na área de alimentação do Nuevo ElDorado, em Bogotá - Colômbia matando as 4 horas de tempo que me restam até embarcar de volta ao Brasil e logo percebi que essa seria a melhor oportunidade para escrever as minhas primeiras impressões sobre um pedacinho do paraíso colombiano chamado San Andrés e Providência, onde passei meus últimos 10 dias, mas antes de ir direto até minhas primeiras impressões eu preciso me abrir por aqui.

Esta foi uma viagem planejada com um ano de antecedência. Mal sabia dos acontecimentos que enfrentaria até conseguir finalmente realizar esta viagem quando a emiti ainda no mês de novembro de 2012. E quão impactantes seriam esses meses até chegar o momento de voltar até a querida Colômbia, país que abrigou minha primeira viagem internacional e pelo qual tenho um apreço exclusivamente diferenciado. Foi preciso passar por 15 dias no Havaí, e outros 15 dias pela Costa Oeste dos Estados Unidos até chegar o dia de embarcar. Ainda parti para uma viagem até a Flórida Central onde conheci os melhores parques temáticos da Disney, mas nada, NADA foi igual ao finalzinho do último mês de setembro deste ano. O mês que tive que superar a maior dor que já pude sentir em toda vida - a perca do meu querido e amado PAPAI.

Meu velho e eu tinhamos uma relação MUITO ESPECIAL. Foi uma das poucas pessoas que mais conseguiu me passar seus ensinamentos sem ter aquela necessidade louca de falar, gesticular, frisar ou gritar que tantos outros possuem. Meu coração ainda está muito ferido por sua perda, mas ficou comigo a imensa admiração por todas as coisas que ele realizou em vida e principalmente por essa GANA impressionante que ele semeou em mim por IR, simplesmente aproveitar a vida enquanto a tenho com saúde!

Sinceramente eu ainda não estou muito bem. Meu sorriso não é mais o mesmo. A vontade de voltar para a casa também mudou muito. Parece que não faz mais sentido voltar para a minha residência sem ter o grande Geovando Luiz Fernandes lá por perto pra eu cuidar. Meu pai era um caso de amor muito especial na minha vida. Desde a infância aprendi a zelar dele como meu próprio filho, desde que possuia sequelas de uma cirurgia para retirada de um tumor cerebral (realizada há mais de 30 anos atrás). Eu aprendi a cuidar, a dar toda a minha atenção, a zelar como se fosse próprio filho e minhas motivações principais na vida estavam diretamente vinculadas à sua existência. Minha vida meio que ficou sem rumo, entendem? Pois é, vai lendo...

Essa viagem parece ter caído como uma luva para minha mão já tão calejada dos baques que a vida me forçou a segurar desde quando ainda mal compreendia direito o que era viver. Mas ainda bem que o meu velho fez questão de me ensinar isso muito bem. Eu estava sentindo falta de compartilhar esses sentimentos aqui no blog, pois sinceramente acredito que até mesmo a minha motivação por escrever (e a forma na qual escrevo) sofreram impacto direto por conta desta perca. Mas mesmo assim eu persisti naquilo que mais aprendi com ele. A SEMPRE SEGUIR ADIANTE! E assim foi San Andrés e Providência, como um método de dar escape à pressão vivida nas últimas semanas. Eu precisava de um tempo pra mim mesmo, pra pensar na minha vida, pra me reencontrar e conseguir, como sempre, SEGUIR ADIANTE, sem olhar muito para trás, preparado para essa nova fase que a vida há de me proporcionar.

E o que fazer para se reencontrar com 10 dias nas ilhas de San Andrés e Providência? Bem, eu pratiquei muito algo que realmente a cada dia tem me colocado mais em contato comigo mesmo: praticar o mergulho - e seja como for! Seja com cilindro, seja com a força do pulmão no free-dive, ou seja apenas boiando de cabeça pra cima tentando limpar a mente da maneira mais propícia possível. E assim foram meus dias nesse destino paradisíaco da Colômbia. Vim me reencontrar no país onde tudo começou. E confesso que ainda há muito o que reestruturar - ainda me encontro meio sem chão.

Mais uma vez fui recebido com tanto carinho nesse país, fiz tantos bons e novos amigos, tive tantos bons momentos (acima e abaixo d'água) - foram 10 dias realmente intensos e que renderão novas e incríveis histórias nas páginas deste diário de bordo. Meus primeiros 3 dias foram em San Andrés mesmo, fiquei hospedado no Blue Almond Hostel, do amigo Juan, um lugarzinho muito especial. Quartos compartilhados, banheiro com água fria, tudo muito simples, assim como eu mesmo estava procurando. Nos meus primeiros dias fiz dois mergulhos com a galera do Banda Dive Shop, da Glória e Luiz Banda, que me levaram para a primeira experiência submersa! Passeamos por verdadeiros jardins de texturas, isso quando esse jardim não se transformava em uma verdadeira selva, com esponjas e corais que me deixaram maravilhado nos 40 metros de profundidade dos dois primeiros sítios: Cantil del Hospital e Bajo Bonito.

Primeiro mergulho em San Andrés com Banda Dive Shop
Primeiro mergulho em San Andrés com Banda Dive Shop

Aluguei uma scooter e sozinho rompi para umas 4 voltas na ilha nesses dias que estive em San Andrés, com direito a paradas sem prazo definido na Piscinita, West View, Playa Tranquilo e seu Barco Hundido, Punta Sur, San Luis e tantos outros lugares que se mostraram tão especiais, que realmente me colocaram um pouco mais próximo de mim mesmo.

Depois disso consegui me encontrar com um dos meus melhores amigos, Diogo Jobane, que chegou alguns dias depois, mas que também possui a mesma intensidade, a mesma gana que eu por desfrutar e conhecer cada detalhe dos destinos que visitamos. Assim que nos encontramos decidimos que o melhor seria partir logo para Providencia, que fica localizada a cerca de 3 horas em catamarã de San Andrés. O que a gente ia fazer lá? Bem a foto a seguir demonstra com perfeição um pouco do muito que realizamos por lá...

Em Felipe's Place, com um tubarão e o amigo dive master Ignacio Cabezza
Em Felipe's Place, com um tubarão e o amigo dive master Ignacio Cabezza

Rodamos de cabo a rabo umas 6 vezes a pequena ilha de Providência. Mergulhamos 3 dias seguidos, dois tanques por dia com a galera do Felipe Cabezza, uma lenda do mergulho colombiano, nestas que foram as experiências mais próximas com tubarões que já tive em minha vida. O pessoal lá é mega profissional e estão acostumados a mergulhar diariamente por mais de 10 anos, e nos últimos 4 anos algo que eles tem feito bastante é alimentar aos tubarões com os peixes leões, foi simplesmente algo IMPRESSIONANTE! Bom, vamos falar bem mais sobre os mergulhos e tudo que realizamos nos próximos dias.

Outra prática que realizei com bastante frequência foi COMER! E como é DELICIOSÍSSIMA a comida colombiana: de arepas com ovos no café da manhã, passando pelos pratos menu com peixe frito, arroz de côco, fruta pão e banana prata prensada, chegando até as salchipapas e hamburguesas como lanches rápidos noturnos!

Uma deliciosa Salchipapa em Providência
Uma deliciosa Salchipapa em Providência

E hoje, depois de tanto correr aquelas ilhas em busca da minha própria paz, acredito que ela está em lugares distintos, assim como consegui encontrá-la nas profundezas do mar caribenho que banha Providência e San Andrés, ou ainda nos pulos do trampolim de West View, e até mesmo lado a lado com as feras mais temidas do oceano, ali mesmo consegui encontrá-la, no silêncio dos mergulhos, na beleza dos corais, nas areias brancas das praias dessas ilhas e até mesmo em qualquer mirante que pudesse apontar fundo para meu coração. Hoje não sou mais o mesmo de 10 dias atrás.

Luiz Jr. Fernandes
Autor

Luiz Jr. Fernandes

Analista de TI, empresário, fotógrafo e viajante.
Perfil do autor no , facebook e twitter.

Veja nossas últimas matérias
Clique para ver mais matérias