10 turistas foram presos no Camboja por dança pornográfica

Estrangeiros foram detidos e podem receber pena de um ano de prisão caso sejam condenados por pornografia.

Acreditem se quiser: dez turistas estão presos na cidade cambojana de Siem Reap pela alegação de "danças e músicas pornográficas". O anúncio da prisão foi divulgado no último domingo pela polícia do reinado, eles vão enfrentar possivelmente um ano de cadeia no Camboja por produzirem fotos "pornográficas" durante a realização de uma festa que aconteceu nas imediações dos templos de Angkor Wat.

Durante o final de semana eles foram formalmente intimados a fornecer as imagens e encarar a dura realidade da justiça do país. Segundo a promotoria de justiça do Camboja essas fotos foram publicadas nas redes sociais. Eles foram presos na última quinta-feira, juntamente com outros 77 estrangeiros em uma incursão no evento "Pub Crawl ou Let's Get Wet" na província de Siem Reap.


Imagem divulgada pela polícia cambojana mostra os dez turistas detidos na semana passada sob acusação de 'danças pornográficas' Foto: EFE/POLICÍA NACIONAL DE CAMBOYA

Os principais acusados são cinco britânicos, dois canadenses, um cidadão holandês, um neozelandês e um norueguês. Os outros 77 estrangeiros presos foram libertados depois de serem educados sobre seu comportamento inaceitável para os costumes do país que estão visitando. Enquanto presos, o grupo teve seus cabelos e barbas raspados afim de evitar a propagação de piolhos. Autoridades cambojanas estão indo contra visitantes estrangeiros que desrespeitam os símbolos sagrados da religião de seu país.

Apoiando as detenções dos turistas, o ministro do Turismo, Thong Khon, deixou registrado a seguinte frase: "A lei proíbe esse tipo de coisa e talvez eles tenham sido avisados ​​antecipadamente. Siem Reap é um patrimônio da humanidade. "

Luiz Jr. Fernandes
Autor

Luiz Jr. Fernandes

Analista de TI, empresário, fotógrafo e viajante.
Perfil do autor no , facebook e twitter.

Veja nossas últimas matérias
Clique para ver mais matérias