Quando disse que ficar hospedado no Blue Almond Hostel em San Andrés havia modificado alguns planos desta viagem eu realmente estava falando sério. Foi o Juan, o proprietário do hostel, cara que esteve a vida toda nesta ilha quem fez com que eu tivesse a oportunidade de agregar mais essa experiência na minha relação de mergulhos livres impressionantes!. Vocês que são frequentes aqui no blog também sabem bem que eu gosto bastante de praticar o free-dive com snorkel! Eu sempre invisto horas nisso em praticamente todos os destinos de praia que tenho visitado recentemente, e não foi diferente em San Andrés.

Logo no dia em que conheci o Juan em seu hostel, fiz questão de fazer aquela perguntinha básica que costumo repetir em todos os destinos incríveis: “Quais os melhores lugares para snorkel em San Andrés?!”, o cara não chegou a pensar um minuto sequer, desde que a resposta estava na ponta da língua: Barco Hundido próximo a Playa Tranquilo. Ele poderia ter me mandado pro Jonnie Cay, ou ainda pra conhecer as manta-rays no Acuário, mas NÃO! Ele preferiu compartilhar comigo sobre um lugar conhecido apenas pelos locais e por alguns poucos turistas que se aventuram no mergulho livre. Bom, aventura está quase sendo nosso sobrenome e partímos para lá no outro dia após o mergulho com Banda Dive Shop, e por incrível que pareça tive uma agradabilíssima surpresa ao chegar no lugar indicado pelo Juan!

Free Dive no Barco Hundido, próximo ao Hotel Boutique Playa Tranquilo
Free Dive no Barco Hundido, próximo ao Hotel Boutique Playa Tranquilo

No dia anterior havia combinado de fazer alguma coisa com aquele casal de colombianos de Medellin que comporam junto com o Luis Banda a equipe do primeiro mergulho lá em Bajo Bonito e Cantil del Hospital. Nós havíamos combinado de ir para La Piscinita para fazer um belo snorkel e desfrutar do dia na Costa Leste de San Andrés. Com uma moto alugada eu até cheguei a visitar a Piscinita, mas como parti bem cedo pela manhã (por volta das 8 horas), o lugar ainda estava fechado e foi quando decidi que iria sozinho mesmo até o Barco Hundido. E mesmo sem combinar, quando estacionei a minha moto próxima daquelas espreguiçadeiras ali mesmo na beira da estrada, eis que chegam Pancho e Jose Luis em um carrinho de golf, acompanhados por suas agradabilíssimas esposas! Bom a euforia foi generalizada, logo eles toparam a parada e nos organizamos para ir conhecer o barco naufragado.

E que organização diga-se de passagem! Eu estava acompanhado por verdadeiros profissionais do mergulho livre e sequer sabia disso! Utilizamos do bom relacionamento do Juan do hostel para guardar nossos veículos no hotel em frente ao sítio de mergulho, o Playa Tranquilo Hotel Boutique e Dive Center. Ali também era possível alugar lastros, nadadeiras, máscaras de mergulho e até BCDs, tanques e reguladores caso preferíssimos o scuba dive. Pois bem, este era um dia de preparação física, de concentração e de expandir a força dos pulmões! Com tudo pronto, devidamente trajados, utilizamos a escadinha para entrar nas cálidas águas caribenhas e lá fomos para cerca de 20 minutos de nado até chegar na bóia que indicava o naufrágio!

Explorando a popa do Barco Hundido - San Andrés - Colômbia
Explorando a popa do Barco Hundido – San Andrés – Colômbia

Os caras não brincam em serviço! Todos estavam com lastros menos eu, o que facilitava na hora de afundar, gerando econômia na força das pernas e obviamente salvando o oxigênio armazenado nos pulmões para conseguir chegar tranquilamente até o fundo dos 10 a 12 metros de profundidade média no qual está o Barco Hundido. Um SENHOR naufrágio! Gigantesco! Com perfeita visibilidade e bastante vida marinha!

Mergulho livre em apnéia no Barco Hundido - San Andrés
Mergulho livre em apnéia no Barco Hundido – San Andrés

O legal foi que Pancho, um dos amigos de Medellin que mergulhava conosco, teve a explêndida idéia de trazer um sinalizador de superfície, uma espécie de bóia com uma cordinha que era presa ao fundo dos lugares que íamos explorando. Isso era fundamental para auxiliar-me a chegar ao fundo e ter relativamente um bom tempo por lá antes de voltar até a superfície para recarregar o pulmão com ar. Aqui eu senti a falta do lastro, uma espécie de cinturão com blocos de pesos para auxiliar na hora de ir até o fundo, mas não foi tão complicado assim e por outro lado acabei expandindo mais ainda minhas habilidades no mergulho livre.

Mergulho livre em Barco Hundido - San Andrés - Colômbia
Mergulho livre em Barco Hundido – San Andrés – Colômbia

Começamos nossa exploração pela popa do barco naufragado. Ele foi afundado intencionalmente no ano de 1998 com o propósito de criar um atrativo para o mergulho com cilindro e proporcionar um ambiente propício para a geração de estruturas marinhas vivas, tais como recifes de corais e cardumes em geral. Acontece que a intenção dos colombianos era fazer com que o naufrágio ficasse por volta dos 100 metros de profundidade, deixando a cobertura do lastro a uns 80 metros, mas por uma falha no ato o barco foi naufragado a uma profundidade de 10 a 12 metros e seu mastro pode ser facilmente alcançado até por aqueles que ainda são inciantes no mergulho livre (cerca de 4 metros!). Acontece que este erro acabou fazendo com que nascesse em San Andrés um dos melhores lugares para os adeptos do free-dive, acessível tanto pela costa quanto por embarcação.

Hora de explorar o mastro e a vida abundante por ali
Hora de explorar o mastro e a vida abundante por ali

Como estávamos em um grupo, fazíamos sempre a exploração juntos. Depois de investir vários minutos apenas na popa da embarcação, juntamos o grupo, fizemos a checagem para saber se estava todo mundo confortável e partimos para o meio da embarcação. E quanta vida encontramos somente ali! Meu Deus, que lugar incrível. Apenas alguns suspiros mais profundos na superfície e me agarrei novamente na cordinha par ai até os 12 metros e voltar contemplando a impressionante quantidade de vida marinha que existia ali pregada ao mastro deste navio naufragado.

Vida marinha abundante no mastro do Barco Hundido
Vida marinha abundante no mastro do Barco Hundido

Mal sabia que iríamos encontrar com um nativo do local, um belo camarãozinho que estava por ali no mastro mesmo de bobeira só esperando o momento certo de ser fotografado. Flutuando pelas águas quentes deste mar caribenho o camarão pousou nas mãos de Pancho que voltou até a superfície com o belo companheiro de mergulho pronto para fazer amizades com todos que estavam ali na superfície descansando. Eu fiz questão de registrar o momento com riqueza de detalhes!

Um belo e tranquilíssimo camarãozinho morador do Barco Hundido
Um belo e tranquilíssimo camarãozinho morador do Barco Hundido

Foi uma sensação realmente excitante. Afinal de contas o primeiro camarão a gente nunca esquece! Já até havia visto de longe alguns em outros mergulhos com cilindro, mas nada havia sido tão especial quanto a amabilidade deste pequenino morador del Barco Hundido, que parecia gostar de todos nós tanto que mal fez questão de partir de volta para sua residência. Já se passavam mais de uma hora e 30 minutos quando decidimos partir para a exploração da proa que se mostrava como um excelente lugar para encontrarmos mais vida! E encontramos! Vida humana! Um grupo estava com o Luis Banda mergulhando com cilindro! Foi demais encontrar o Luis novamente, dessa vez no fundo do oceano, ele com cilindro e eu sem 😀

Explorando a proa do Barco Hundido na apnéia em San Andrés
Explorando a proa do Barco Hundido na apnéia em San Andrés

Foram 2 horas e 30 minutos na água salgada. A melhor dica é relaxar de tempo em tempo e boiar como se estivesse em uma piscina – além de descansar e ganhar fôlego para as imersões, esta é uma tática que uso bastante para pensar melhor em como estou levando minha “vida real”. O Barco Hundido possui uma extensão impressionante de cerca de 35 metros e gastar horas ali explorando esse incrível sítio de mergulho foi uma das experiências mais recompensadoras (e econômicas a propósito) que consegui realizar em San Andrés. Deixo vocês com a galeria de fotos desta atividade e também com dois vídeos que realizei enquanto estava a explorar a proa e popa do barco onde podem ser ouvidos os barulhos das correntes se arrastando por conta da correnteza no fundo do oceano – um mergulho irado que você não pode deixar de realizar quando for conhecer San Andrés. Bom, nos vemos no próximo post sobre essa ilha colombiana cravada no meio do Caribe, hein pessoal!


Mergulho Livre no Barco Hundido – San Andrés


Mergulho apnéia Barco Hundido

Autor
Luiz Jr. Fernandes
Luiz Jr. Fernandes
Sou um analista de sistemas, fotógrafo, autor deste blog e viajante profissional. Já conheci mais de 70 países em todos os continentes do mundo. As minhas matérias são 100% exclusivas, inspiradas em experiências reais adquiridas nos destinos que visito. Obrigado por ler e acompanhar o meu trabalho.
Comentários do Facebook
10 comentários publicados
  1. Muito TOP esse mergulho. Adorei as fotos. Esse camarãozinho é mto simpatico mesmo. Adoro qdo encontro com ele tb. 😉 Abs

    1. Curti demais também o tempo com esses amigos de Medellin. Explorar o Barco Hundido nem teria tanta graça sem a cia deste grupo irado! O Pancho mesmo ficava mais de 5 minutos no fundo tranquilamente…, eu não passava dos 3! 😀

    1. Oi Daniela, obrigado por visitar e comentar aqui no blog. Então na verdade é tudo adquirido aos poucos. Em um mergulho como esse é preciso utilizar várias técnicas combinadas para acima de tudo ter conforto na água e poder explorar tudo com boa visibilidade e contando com tempo de fundo para conseguir ver as coisas. Eu sou um grande incentivador do mergulho autônomo, mas sempre é claro feito com segurança, em grupo, com todos os cuidados necessários. Pq vc não tenta no seu próximo destino? Vai que curte! Abração!!

  2. Que legal esse post! As fotos são lindas e o camarãozinho muito fofo 🙂 Eu mergulhei só uma vez com oxigênio em Maragogi – Alagoas, foi um pouco difícil porque meu ouvido é sensível e doía com a pressão, mas tenho super vontade de fazer mergulhos assim.

    1. Olá Emily! Agradeço muito pela sua visita ao blog e por ter deixado um comentário! Bem, eu também tinha esses problemas com meu ouvido quando ainda não sabia mergulhar direito. Bastou aprender um pouco sobre compensação dos gases em nosso organismo e pimba – conforto absoluto! Diria que é até mais confortável do que de fora da água 🙂 Bom, pq você não tenta fazer um curso básico de mergulho? Se gosta tanto vale a pena demais! A sensação de paz e liberdade é impressionante depois que você é livre para mergulhar sem a ajuda de ninguém. Bom, a recomendação já está feita! Em sua próxima viagem ao mar (e de preferência se for pro Caribe) não deixe de tentar o mergulho de novo! Abração!

  3. Legal! Muito bom o post e o blog tb, eu não conhecia, parabéns … Acabei de fazer mergulho autônomo nesse barco ontem. Pena que não tive muito tempo para explorar todo o barco. Poderia passar mais de 1 h ali … Mas foi bom, encontrei um camarão palhaço em uma anêmona, vi uma barracuda, um cardume de não sei o que … rs

    1. Olá Eduardo, tudo joia? Obrigado pela visita e comentário. Eu curti demais fazer esse free dive, sinceramente eu estava com as pessoas certas na hora certa e meu grupo era realmente excepcional! Isso ajudou bastante, acredito também que as condições do oceano no dia (que mais parecia uma grande piscina natural), favoreceram em muito a qualidade dessa matéria! 🙂 Abração e volte sempre

  4. Adorei as dicas, vamos a San Andrés em março e pretendo fazer esse mergulho, temos costume de fazer mergulho livre, mas não tenho muito pulmão para apnéia rs rs. A visibilidade é boa mesmo sem descer muito?

    1. Oi Ivaine, tudo joia? Obrigado por deixar um comentário 😀 A visibilidade é boa sim, mas é bom checar a tábua de marés antes e ir sempre com um grupo experiente. Nunca é recomendável fazer um passeio como esse sozinho, pode ser perigoso ir pro mar sem um grupo. A visibilidade vai depender muito das condições externas (do clima, da maré, da movimentação do oceano, etc), mas quase sempre é espetacular 🙂 Abração e tenha uma boa viagem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.