Depois de ter lido as nossas duas últimas matérias sobre como tirar o visto para os Estados Unidos, você já deve estar se perguntando sobre o que fazer ou como se comportar na próxima fase – a visita á Embaixada Americana e a tão temida entrevista. Pois não se preocupe pois esta fase é a mais simples. Se você já conseguiu agendar sua entrevista, preencheu e enviou com sucesso o formulário DS-160 e também está com todos os seus documentos em mãos, então tenha a certeza e a confiança de que você chegou na fase mais tranquila da sua empreitada em conseguir tirar o tão almejado visto para os Estados Unidos.

Nesta mais recente viagem que realizei a Miami, conheci um argentino muito gente fina que também tinha tirado seu visto recentemente. É engraçado ver como nós latinos somos discriminados por essa necessidade burocrática do visto. Ele me contava da sua dificuldade tentando a aprovação do visto e também relatava que quando a Argentina era uma potência na América do Sul, antes da crise dos anos 90, os cidadãos desse país podiam até então entrar e sair dos Estados Unidos sem a necessidade do visto em seus passaportes. Foi a Argentina quebrar e os Estados Unidos obrigaram os cidadãos desse país a também solicitar o visto antes de adentrar seu território (assim como todos os latino americanos).

Tirar o visto para os Estados Unidos

Do meu ângulo brasileiro e latino, realmente me parece que os Estados Unidos não fazem parte do continente americano. Obrigar toda a América Latina a ter o visto é algo incompreensível aos olhos de muitos irmãos latino americanos, mas que se explica automaticamente com uma simples caminhada pelas ruas de Miami. A cidade é tomada por imigrantes latinos. Escuta-se inglês mesclado com espanhol pelas ruas. As propagandas e outdoors estão todas em espanhol, existem milhares de cidadãos latino americanos movendo a roda capitalista da economia estado-unidense, e a obrigação do visto é simplesmente um requisito fundamental para o controle de imigrantes ilegais. Hoje consigo entender a necessidade do visto, apenas depois de ter voltado da minha primeira viagem a Miami. Os Estados Unidos não suportariam a pressão dos imigrantes ilegais latino americanos, caso abolissem a necessidade do visto para esses países. Mas hoje as coisas estão mudando. Neste ano de 2011, principalmente pelo aquecimento da economia brasileira, já fala-se que existe uma certa facilidade para conseguirmos a permissão de entrada em território dos Estados Unidos e cabe a cada um de nós, que tem o desejo de conhecer esse país, que tente o visto e consiga a completa liberdade de ir e vir na América.

Pois bem, a entrevista está agendada, você tem seu formulário DS160 totalmente preenchido, impresso e enviado, está com todos os documentos que comprovam seus vínculos com a sua nação e não vê a hora de ter aquele papel tão desejado pregado em seu passaporte? Pois então fique tranquilo que isso irá acontecer com a maior naturalidade possível. A entrevista é um processo muito rápido, que acaba se delongando um pouco mais devido á quantidade de pessoas que solicitam os vistos e as gigantescas filas que se formam. No meu caso específico, fui um dos primeiros a ser entrevistado e obtive sucesso na minha empreitada; logo ás 09 da manhã já estava voltando pra casa. Mas foi tão rápido assim? Sim, prezado leitor, foi mais rápido do que até eu mesmo imaginei que seria.

Visão geral da entrada da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília-DF
Visão geral da entrada da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília-DF

Uma ótima dica é madrugar! Sim! Ao marcar o horário da sua entrevista, opte pelo dia que tenha o horário mais cedo possível disponível. Eu consegui marcar minha entrevista para as 07:30 da manhã e fui o segundo a chegar na fila (cheguei eram 06:30 da manhã). A embaixada ainda estava fechada, apenas os seguranças estavam por ali, mas logo já percebi que existia uma fila para cada um dos horários marcados para a entrevista. Eu fiquei em segundo na primeira fila de horários a ser atendida e me surpreendi com agilidade no processo de colhimento de digitais, entrevista e pagamento da taxa dos correios. Em cerca de uma hora eu entrei com meu passaporte e saí sem ele da Embaixada dos Estados Unidos. E voltei feliz pro meu Goiás 😀

Voltando pra GO com visto de 10 anos aprovado
Voltado pra Goiás com meu visto aprovadão!

Concluindo…

Recapitulando o básico para sua entrevista. Seja objetivo e cordial! Não desrespeite ou questione as perguntas que lhe serão feitas pelo agente da Embaixada que lhe entrevistar. Não minta em hipótese alguma, pois eles são treinados para detectar as suas mentiras. Acredite que eles vão tentar descobrir se você está mentindo buscando fazer com que você se contradiga nas respostas solicitadas, então seja você mesmo sempre! Não modifique seus documentos tentando se mostrar mais estável do que é! Não acredite nas ideias de que burlar as informações mais básicas sobre sua vida pessoal ou financeira são boas alternativas para tirar o visto para os Estados Unidos.

E não esqueça de compartilhar conosco da sua experiência, caso essa série de matérias tenha realmente sido útil para você! E se você tem dúvidas ou sabe de alguma ótima dica que pode enriquecer essa série de matérias, então seja muito bem vindo ao Blog Boa Viagem e faça da caixa de comentários sua melhor amiga! Interaja, discuta e promova as boas informações compartilhadas por aqui!

Autor
Luiz Jr. Fernandes
Luiz Jr. Fernandes
Sou um analista de sistemas, fotógrafo, autor deste blog e viajante profissional. Já conheci mais de 70 países em todos os continentes do mundo. As minhas matérias são 100% exclusivas, inspiradas em experiências reais adquiridas nos destinos que visito. Obrigado por ler e acompanhar o meu trabalho.
Comentários do Facebook
14 comentários publicados
  1. Tenho uma dúvida…

    Pego meu passaporte por volta do dia 28/08, e após isso vou atrás da documentação para solicitar o visto. Eu trabalho com meu pai na empresa dele, sou sócia no caso. Vou para Miami e me hospedar na casa da minha tia. Pelo que leio nos BLOGs, eles não querem Brasileiros com laços nos EUA. O que eu faço caso me perguntem aonde vou ficar? Digo que ficarei na casa da minha tia, algum conhecido, se a melhor maneira é falar a verdade?

    1. Ariane, primeiramente muito obrigado por manifestar sua dúvida, principalmente pois essa também deve ser a dúvida de muitos dos leitores desta matéria aqui do Blog.

      A primeira pergunta que deve ser respondida é se o seu parente está lá ilegalmente. Em caso afirmativo você pode ser questionada na sua entrevista sobre a legalidade dessa pessoa nos USA e é claro que existe um certo receio em aprovar o visto de uma pessoa que vai visitar uma outra com vínculos familiares que está ilegal lá. Sinceramente eu não sei como isso pode influenciar na aprovação ou não de um visto de não-imigrante. 

      Eu recomendo que acima de toda e qualquer situação que você responda as perguntas com 100% de verdade. Uma resposta incerta pode gerar problemas na hora da entrevista, pois podem ser feitas perguntas que vão lhe colocar em contradição. 

      Espero que essa resposta seja útil e caso existam dúvidas não hesite em manifestar a sua opinião! 

      Agradecemos muito pela visita, comentário e por continuar seguindo nossas atualizações!

  2. Tenho outra dúvida. Tenho previsao de viajar para os EUA em fevereiro de 2013 com minha esposa. Sou funcionario publico, e faço ainda faculdade que vou terminar so no final do ano de 2012. Minha esposa não trabalha, ela é do lar. Gostaria de saber como proceder no visto dela. Como funciona esse tipo de visto ela sendo dependente de mim. Sao entrevistas separadas? Vamos entrar junto na mesmo sala para entrevista? Aguardo.

    1. Olá José Carlos! Tudo bem?! 

      Agradeço muito por seu comentário! 

      No seu caso é simples: basta solicitar o visto para vocês dois juntos, como um casal, e requerer a entrevista. No dia vocês vão ser entrevistados juntos e assim não tenha dúvidas que o processo pode ser mais fácil tanto para você quanto para sua companheira! Abração!

  3. Tenho 16 anos e moro atualmente na Suiça mas volto para o Brasil no final do ano. Imediatamente vou iniciar um curso de inglês quando chegar ao Brasil, pois tenho muito amor a esse idioma e a cultura americana. Estou aqui trabalhando para juntar dinheiro justamente para fazer um intercâmbio. Acontece que não sei como iniciar esse processo, sei que ainda vai demorar, pois um curso bom de inglês demora, mas já estou me programando. Minha mãe não trabalha e não tem casa própria. Meu pai não me registrou. Estou com muito medo de que isso implique na hora da entrevista, mesmo sabendo que eu vou ter dinheiro para ‘bancar’ esse intercâmbio. Minha mãe mora aqui comigo na Suiça e quando eu voltar vou morar com minha tia. O que você me aconselha fazer? Minha tia tem casa propria no Brasil, eu digo que ela que vai ficar responsavel por mim e por essa viagem? Porque de certo fato é, vou estar morando com ela né… Se é que você me entende… Vou estar maior de idade quando for viajar, você acha que o fato de eu não morar com minha mãe e ela não estar presente, nem os documentos originais dela no momento da entrevista, vai complicar o meu caso? ME AJUDE, POR FAVOR! rs Desde já agradeço.

    1. Prezada Paula,

      Acho que você deve tentar sim fazer o visto. Com as mudanças que ocorreram recentemente ficou mais fácil tanto o trâmite até o visto sair, quanto a aceitação quando da necessidade da entrevista. Faça a entrevista e volte aqui pra nos relatar como foi ok?!

  4. Tenho 15 anos e pretendo ir aos EUA em 2014/2015,pretendo fazer o visto ano que vem.Estou começando a juntar dinheiro agora,ja posso dar entrada no visto,sendo que ainda não tenho nada para comprovar minha grana,nem a data da minha viagem e estadia? Vai dar problema?Ou é melhor esperar estar tudo certo?

    1. Olá Felipe, obrigado por seu comentário! Verifique a relação de documentos que você deve apresentar por ser menor de idade! Com certeza deve ter que apresentar uma liberação dos seus pais, verifique isso no site da Embaixada americana antes de tentar o visto e tenha boa sorte!

  5. Olá Luiz. Antes de mais nada, quero dizer que seu site virou minha página inicial, hehe. Vamos ao meu problema: Eu tenho 24 anos, sou estudante universitário e trabalho dando aula de inglês particular, ou seja, não comprovo renda. Pretendo ir a NY em outubro, com minha namorada e um amigo. Mas, obviamente, estou morrendo de medo de ter meu visto negado. Você acha que seria melhor obter um visto de estudante e me matricular em algum curso qualquer, pro-forma mesmo? Ou você tem alguma outra dica?

    Muito obrigado !

    1. Olá Felipe, obrigado por sua visita, comentário e principalmente por fazer deste humilde blog sua página incial haha 😀

      Bom, sobre essa questão da comprovação de renda, tudo isso tem sido um CAOS mesmo…, as pessoas sentem esse medo de chegar lá e não ter o visto aprovado por serem livres da declaração de renda padrão junto a Receita Federal. Na realidade, esse é o principal documento que comprovaria seus vínculos com o país. Como você é autônomo, eu recomendaria que você procurasse um contador aí da sua cidade, explicasse a sua situação para ele, diga que você dá aulas, que sua renda é baixa para declaração, e solicite que ele faça um DECORE para você, que comprove que você tem receitas como profissional autonomo que é. Acho que por aí pode ser mais sucesso do que tentar se matricular em um curso qualquer…, vai por mim e volte aqui pra contar seus resultados 😉

      1. Bom dia Luiz. Muito obrigado pela resposta rapidíssima! Fiquei surpreso ao ver, rsrs

        Me informei rapidamente sobre o DECORE e vi que será um caminho longo obtê-lo. Eu já iniciei hoje mesmo o processo, mas queria saber se há uma outra possibilidade:

        Minha namorada está praticamente bancando minha viagem. Eu lembro que existe uma opção no questionário sobre marcar a pessoa que está custeando você. Seria uma boa alternativa ir por este caminho? (porque aliás é verdade! rs)

        E mais uma vez, muitíssimo obrigado!

        1. Você também pode fazer isso Fellipe! Você pode alegar que uma outra pessoa vá custear sua viagem. Basta que essa pessoa tenha os comprovantes solicitados. Sem dúvidas essa opção pode ser uma saída mais rápida para a sua situação!

  6. Oi! Gostei do seu blog e tenho uma dúvida… Eu planejo ir para NY em dezembro. Meu namorado é um soldado norte-americano e pretendo passar todas as minhas férias lá. Mas uma pessoa me disse que talvez seria ruim que eu dissesse que passaria as férias lá, pq eles achariam que eu poderia ficar ilegalmente, o que eu nunca faria, pq faço facul e tenho um emprego aqui. Vc acha que eu devo falar mesmo que vou passar todo esse tempo lá? Até pq ele trabalha como soldado, seria idiotice ficar ilegalmente. 

    Aguardo ansiosamente por sua resposta!

    Abç, Cássia

  7. Olá Luiz, boa tarde! Minha esposa e eu pretendemos viajar como turista pra os Estados Unidos e quem vai custear as despesas da nossa viagem é a minha mãe de criação (mas não sou registrado como filho dela) ela é ex-mulher do meu pai e mora nos EUA há 15 anos. No nosso caso, minha esposa e eu estamos desempregados(nenhum vinculo empregatício no Brasil e consequentemente não temos como comprovar renda), nós moramos de favor na casa da minha sogra, minha esposa está cursando 7º período na universidade(que no momento encontra-se em greve), sendo assim, queremos aproveitar este período de greve para viajarmos. Quanto a aprovação do visto, eu li no seu blog que um dos fatores importantes seria a comprovação de renda, extratos, etc. Mas como já falei, estamos desempregados e também não temos fundos na nossa conta bancária. Como já foi dito, a ex-mulher do meu pai vai pagar as despesas da nosso viajem, então é ela quem deve me enviar esta carta custeio? Mesmo ela morando em outro país (EUA)…tem como? Tive pesquisando e observei que uma das perguntas mais comuns feitas na entrevista é: ‘Qual a sua profissão?’. Estou bastante confuso nesse sentido e como estou desempregado isso pode me prejudicar?!?! Estou certo? Você poderia nos da alguma dica para aumentar as chances para termos os nossos vistos concedidos? Obg!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.