Reveillon em Fernando de Noronha: o guia definitivo

Este é o guia definitivo para você que quer planejar sua próxima virada de ano em Fernando de Noronha

Meses atrás, ainda em 2014, resolvi planejar uma nova viagem para Fernando de Noronha. Poderia repetir esse destino diversas vezes sem conseguir de fato esgotá-lo, turisticamente falando. Nesta oportunidade meu foco era exclusivamente adquirir duas novas experiências que até então não tinha conseguido cortar da minha bucket list: mergulhar com cilindro em um dos melhores points do planeta, as famosas PEDRAS SECAS e conhecer o que muitos consideram ser a melhor festa de réveillon no Brasil: o réveillon que é realizado em Noronha pela Pousada Zé Maria. Vou contar com detalhes para vocês como tudo aconteceu, desde a reserva da minha viagem até os momentos que vi esse novo ano nascer com o Morro do Pico preenchendo o plano de fundo nas minhas fotos amanhecidas lá no Zé.

É difícil viajar para um destino tão exclusivo quanto Noronha sem doses cavalares de bom planejamento. A coisa pode complicar mais se o foco é fazer uma viagem da forma mais econômica possível e pode definitivamente complicar todo o meio de campo se o período da viagem for em uma época de altíssima temporada, assim como é o réveillon neste arquipélago. Antes de ir direto ao ponto e explicar como é a forma mais fácil e barata para desfrutar do melhor réveillon do Brasil (se não for do mundo inteiro!) eu gostaria de introduzi-lo a alguns dos sentimentos que são obtidos por qualquer viajante em processo de planejamento de viagem pra Noronha - ou mais especificamente de um sentimento chamado euforonha.

Vivendo a "euforonha" antes de chegar no destino

Paisagens impressionantes em Fernando de Noronha
Morro do Pico em Fernando de Noronha

Quando comentei com meus amigos sobre meus planos de voltar a Noronha para conhecer todas as facetas do réveillon mais exclusivo deste destino paradisíaco, facilmente formei um grupo com mais de 100 pessoas que também tinham interesse e que gostariam de se organizar par viajar comigo também. Esse grupo foi organizado ainda em fevereiro de 2014, com o objetivo de compartilhar as idéias, os valores de passagens baratas, dar dicas sobre os passeios, mergulhos e principalmente sobre como poderíamos comprar o ingresso pra essa festa pagando mais barato. Uma angústia sem fim ia tomando conta de boa parte dos integrantes desse grupo, um desejo de já ter tudo pronto e acelerar os ponteiros do relógio para que o ano inteiro voasse em um segundo e logo se aproximasse o momento de embarcar para Recife, e de lá pro paraíso.

Eu já considero tudo isso uma espécie de euforonha - sentimento de euforia incessante que toma conta das pessoas que estão se conectando ao paraíso. Esse mix de sentimentos inundava aos integrantes desse grupo de pessoas dispostas a organizar uma das melhores festas de fim de ano das suas vidas, porém menos de 8% das pessoas desse grupo conseguiriam no fim do ano de fato embarcar rumo ao arquipélago noronhense. Eu não me surpreendi em momento algum, afinal de contas estamos aqui lidando com um dos destinos mais caros do território nacional. Foi interessante ver que cada um dos integrantes desse grupo ia se perdendo entre o momento exato de emitir o ticket, ou desanimando ao somar a quantidade de dinheiro que seria dispendido com taxas governamentais, ou ainda com a hospedagem na ilha. A euforonha começa a se transformar em uma verdadeira NEURONHA e boa parte das pessoas foi ficando pelo caminho e adiando o sonho do réveillon no paraíso para outras oportunidades.

Emitindo o ticket aéreo

vista do Morro Dois Irmãos, Cacimba do Padre, Morro do Pico e Ilhas Secundárias
Vista do Morro Dois Irmãos, Cacimba do Padre, Morro do Pico e Ilhas Secundárias

Esta é a fase mais delicada na minha opinião. Não é fácil pesquisar no site das cias aéreas nacionais e encontrar frequentemente passagens com preços exorbitantes para os trechos que conectam Noronha ao continente. Várias vezes cheguei a me assustar com valores acima de inacreditáveis R$ 2000,00 para apenas um segmento dessa viagem, sem contar é claro as taxas aeroportuárias ou qualquer custo com deslocamento. É realmente salgado!

Sempre viajo para Noronha com milhas. Primeiro pela oportunidade de me organizar e emitir com boa antecedência. Segundo pela facilidade em encontrar vagas nos voos mais disputados (tal como os que partem nos dias 28, 29, 30 e 31 de dezembro). A janela para emissão é curtíssima, e a disponibilidade pode ferrar com os planos até mesmo do viajante mais precavido. É preciso acompanhar o momento exato em que as cias abrem a emissão para esses períodos e contar com uma boa dose de sorte para conseguir emitir tudo de uma vez só. Sempre costumo emitir primeiro os trechos de ida, visto que eles abrem para a redenção com algumas semanas de antecedência ao voo de volta, só que isso pode ser um grande problema caso se esqueça de emitir a volta em tempo hábil (essas passagens acabam muito rápido). Nas duas vezes que viajei a Noronha no réveillon, consegui emitir os trechos com pouco mais de 10.000 milhas (ou R$ 400,00) - para cada trecho. Uma vez emitida a ida, é ficar de olho todo dia na disponibilidade de emissão da volta e não titubear quando a emissão estiver liberada.

Do grupo que mencionei acima, 70% não conseguiu emitir os voos com milhas. Os outros 22% que emitiram o voo de ida, perderam a janela do tempo para redimir a volta com milhas e ficaram para trás, uma vez que o preço apenas da volta, para ser emitido sem milhas, ficava mais caro do que uma viagem inteira pro Caribe. Eu me sentia em uma loteria no dia da emissão da volta, ficava atualizando o site do programa de milhagem de dois em dois minutos, até que chegou a hora e consegui ser um dos primeiros a emitir a volta nesse grupo.

A segunda forma de emitir essa passagem é contar com a sorte de conseguir comprar uma passagem em promoção. Pode ser meio difícil ver um ticket promocional para uma época tão disputada quanto é o réveillon, porém não é impossível! Já vi várias oportunidades de emissão dessa viagem por meros 500 reais (na ida e na volta), só que quando aparecem, dificilmente estão disponíveis para os últimos e primeiros dias do ano - a melhor forma é emitir com milhas e garantir a viagem no começo do ano.

Hospedagens: pousadas ou casas de pescadores?

Pousada da Carmô em Fernando de Noronha
Pousada da Carmô - excelente custo benefício com piscina e café da tarde :)

Com o suado ticket nas mãos, é chegada a hora de encontrar um lugar para repousar entre os passeios e badalações ofertados aos visitantes deste arquipélago. Eu já até escrevi um texto ensinando as pessoas a viver intensamente no modo extra-econômico em Noronha e acredito que é neste tópico que esta matéria vai bem a calhar.

Se o voo parece ser caro, espere até receber os orçamentos praticados pelas pousadas nesta temporada - o preço base para 2014/2015 estava entre R$ 400 e R$ 500 (ISSO NA DIÁRIA). As pousadas costumam organizar pacotes que são comercializados por temporada, do dia 30 ao dia 2 - e costumam cobrar o valor cheio nas diárias adicionais. Parece fora da realidade de um lugar tão pequeno, porém é esse o preço que se deve pagar pela exclusividade de passar um réveillon em Noronha. Só que tenha calma nessa hora, eu te ensino a não estourar o cartão nesse momento...

Não existem grandes redes de hotéis ou resorts estabelecidos em Fernando de Noronha. Pode soar estranho, mas não é possível encontrar um resort de grandes redes na ilha, tão pouco um hotel com o "pé na areia", desde que todas as pousadas encontram-se fora da área de preservação ambiental do arquipélago, porém é possível viver um réveillon em Noronha pagando mais barato do que uma diária de hotel brasileiro.

A forma mais econômica para se hospedar em alta temporada em Noronha está nas soluções ofertadas por pescadores e nativos da ilha. Existem várias alternativas mais econômicas fora do centrinho da ilha (a Vila dos Remédios), boa parte delas se concentram na Vila do Boldró e os preços bons começavam em R$ 100,00 por pessoa por quarto (espere pagar no mínimo R$ 200 para a diária do casal). E acredite, este ainda é um preço mega faturado se comparado aos valores que eram praticados alguns anos atrás (eu já cheguei a pagar 35R$ na diária em uma rede na casa da Dona Maria de Gouvéia). Enfim, os tempos mudam e Noronha muda com os tempos também. Outro detalhe: os pacotes de fim de ano começam a ser reservados por padrão depois do meio do ano, mas pode valer a pena encontrar uma solução mais barata e efetivar a reserva para ficar garantido logo quando o voo for emitido.

Eu ainda resguardo a qualidade pelo custo benefício. Se você pode pagar por um pacote das pousadas, recomendo que o faça logo que abrirem as oportunidades para reservas. Existem várias soluções com o preço não tão salgado, porém é preciso tempo de sobra na internet e trocas de emails intensas para conseguir garantir um lugar legal (se pá com piscina e tudo mais) a um preço justo.

Passeios, festas, aluguel de veículos

Paisagens impressionantes em Fernando de Noronha
Paisagens impressionantes em Fernando de Noronha

Com o ticket do voo em mãos e as reservas na pousada devidamente efetivadas é hora de planejar a diversão. O que fazer em Noronha? Em quais festas devo ir?! Qual é a comida imperdível? Quais lugares não posso deixar de conhecer?! Devo alugar um veículo ou posso confiar nas caronas e transporte público?! Essas são as principais perguntas que costumo responder para qualquer um que vá a Noronha e queira umas dicas aqui do Blog Boa Viagem.

Vamos por partes então, primeiro os passeios: existem várias alternativas de tours para serem realizados em Noronha. Boa parte deles envolve água, outra boa parte é considerado turismo de contemplação. O passeio mais completo que existe na ilha chama-se ILHATUR, ofertado pelas principais agências de turismo deste arquipélago, pode ser um pouco cansativo por tomar o dia inteiro, mas é a melhor introdução que um visitante pode obter. Outro passeio que julgo ser imperdível é a visita até a piscina natural do Atalaia (que pode ser feito por conta própria, mediante agendamento no ICMBio e sem custo adicional nenhum). Outros pontos de interesse que podem ser visitados sem qualquer custo é o Forte N. S. dos Remédios, um passeio tranquilo nas imediações do Porto (conhecendo o Buraco da Raquel, o museu dos tubarões, a praia das Caieiras), mas sou suspeito para recomendar passeios, desde que acredito que a experiência imperdível que pode ser adquirida nesse lugar está um pouco abaixo do nível do mar...

Festas, festas e mais festas. É impossível esgotar as alternativas ou estar presente em tudo que acontece. Enquanto alguns se divertem na estrutura construída na praia do meio (que vai ser usada no dia 2 de janeiro para a Galinhada de Zé Maria), outros aproveitam para fazer passeios de barco com comidas e bebidas por conta. Vários eventos são organizados pelos principais pousadeiros e pela administração noronhense de modo que todos possuem alternativas de sobra para aproveitar da melhor forma o passeio no paraíso.

Para percorrer a ilha existem 3 formas básicas: a primeira e mais custosa é alugar um buggy, na alta temporada o custo das diárias chegam a extrapolar os R$ 350,00 e para ser sincero já vi relatos de pessoas pagando até R$ 500,00 nos dias 31/1, 2 de janeiro, mas alugar um veículo pode ficar barato em baixa temporada. A segunda forma é a combinação mochileira a pé + caronas + coletivos. Já a terceira forma de se locomover em Noronha seria com o auxílio das bicicletas que podem ser alugadas no PIC da Econoronha do Sancho e devolvidas no Sueste (ou vice-versa).

Mergulhos

Cardume visto durante um mergulho em Noronha
Cardume visto durante um mergulho em Noronha

Por mais baladeiro que eu possa vir a ser, se tem algo que não deixo nunca de fazer ao visitar Fernando de Noronha, são os mergulhos no mar aberto com cilindro. Eu sou um apaixonado pelo mergulho livre na apneia (apenas com snorkel, máscara e nadadeira), mas quando mencionamos Fernando de Noronha, é praticamente impossível não associar esta localidade com os mergulhos.

Um dos principais objetivos dessa viagem foi conhecer um dos pontos de mergulho mais famosos que existe em Noronha, as Pedras Secas. Eu ainda vou escrever uma matéria completa sobre esse lugar, mas ainda assim acredito que é impossível descrever com clareza os sentimentos que obtive ao conhecer esse point.

Um recado para quem nunca mergulhou: NÃO HÁ EXPERIÊNCIA QUE SE EQUIPARE ao mergulho, e não há melhor lugar no mundo para conhecer um pouco dos sentimentos que esse esporte proporciona. É bom agendar as saídas para mergulhar com bastante antecedência, visto que por ser alta temporada, as vagas desaparecem e os preços disparam com a proximidade do réveillon

Refeições

Almoço no restaurante do Valdênio por R$ 20,00
Almoço no restaurante do Valdênio por R$ 20 (a quentinha é R$ 15 e tem frete grátis!)

Fazer refeições da maneira mais econômica possível pode ser um grande desafio em Fernando de Noronha. Em um lugar onde as compras básicas de supermercado dos habitantes costumam girar em torno dos R$ 5.000,00 mensais, os valores para alimentação em âmbito turístico podem disparar descontroladamente sem um mínimo de planejamento. A dica é sempre a mesma: comer de marmita (quentinha) é sempre muito mais barato (e conveniente caso esteja-se em uma praia). Levar comidas rápidas e preparar na pousada também pode ser sempre uma boa, ficando em casas de pescadores talvez seja possível ter acesso à cozinha, compartilhar churrascos, fazer refeições com os locais pode ser uma ótima forma de tecer boas amizades.

É fundamental ter lanches rápidos prontos para o consumo - confesso que já levei altas barras de cereal para Noronha (e amendoins também) - qualquer valor economizado pode se maximizar em novas experiências no arquipélago! Outro ponto complicado é quando falamos sobre bebidas - pode ser legal levar a sua própria garrafa de bebida para a virada do ano (os preços são exorbitantes por lá!) - os refrigerantes em lata estavam custando em média R$ 5,00 e cervejas long-neck a R$ 10,00.

Só que eu posso bater uma real?! Em Noronha existem restaurantes excepcionais, que produzem alta gastronomia a preço sinceramente acessível. Vale a pena reservar uma grana a mais para poder conhecer a qualidade do peixe na telha da Dolphin, ou ainda os Beijus da Beijupirá e se você tiver a oportunidade de ir a um festival gastronômico então isso deve ser prioridade na sua lista, é mais do que comer, é uma grande festa!

Réveillon em Noronha

Quem opta por virar o ano em Noronha tem duas opções básicas: a primeira é a mais barata e acessível, a segunda já depende de um bom planejamento para ficar em conta, experimentei dois réveillons neste arquipélago, um deles apenas na mais econômica e nesta última oportunidade consegui degustar um pouco dos dois mundos.

Réveillon no Porto Santo Antônio

Reveillon no Porto em Fernando de Noronha
Réveillon no Porto em Fernando de Noronha

A virada no porto é o réveillon do povão. É o lugar onde mais me senti em casa. Não há muito o que fazer..., todos esperam a virada até próximo perto das 11 horas da noite se divertindo como podem nas pousadas e depois partem para o Porto, lugar onde a administração pública municipal costuma sempre organizar uma grande festa popular gratuita.

A festa é realmente bem animada e acaba ficando ainda mais caso conheça alguns dos locais. Todas as famílias descem para o porto e celebram juntas mais uma virada de ano. Depois dos fogos de artifício e da contagem regressiva, costuma sempre acontecer alguns shows e os mais animados prolongam a festa até a after-party que costuma rolar no Bar Duda Rei, na Praia da Conceição, a partir das 8 horas da manhã do dia primeiro.

Réveillon da Pousada Zé Maria

Reveillon da Pousada Zé Maria em Noronha
Réveillon da Pousada Zé Maria em Noronha - 01/01/2015 - 07 da matina

Esta é comumente considerada uma das melhores festas de final de ano do território brasileiro. Zé Maria é um dos pousadeiros mais tradicionais da ilha, literalmente uma celebridade local que recebe artistas globais, modelos e figuras ilustres em sua festa de fim de ano. Sem dúvidas este é o evento mais aguardado no arquipélago, tanto que os ingressos começam a ser revendidos ainda antes de chegar o meio do ano. É possível comprar ingressos antecipadamente por um valor mais barato do que os praticados com a proximidade do evento. O preço neste ano passado foi de R$ 800 para o masculino e R$ 600 para o feminino. Isso com 6 meses de antecipação. No dia 31 de dezembro cheguei a presenciar algumas pessoas pagando até R$ 2.000,00 pela entrada nesta festa, entretanto há aqueles que conseguem comprar o ingresso por um preço mais acessível (assim como é para todos os moradores de Noronha - os valores ficavam cerca de R$ 500,00 para os locais)

A festa é open bar/food, todas as bebidas são por conta da casa. Enquanto Rodrigo Sha, saxofonista que toca música eletrônica, fica responsável pela animação do público no palco principal, existem outros vários ambientes que incrementam o valor do evento - é possível servir-se durante toda a noite com as mesmas iguarias que Zé Maria oferece em seus festivais gastronômicos (inclusive comida japonesa!), também é servida sobremesa e uma mesa de caldos fica à disposição até amanhecer - a festa costuma encerrar às 8 da manhã, quase sempre termina ainda lotada de gente.

A despedida e o desejo de voltar

Paisagens impressionantes em Fernando de Noronha
Paisagens impressionantes em Fernando de Noronha

Uma noite investida na farra é certeza de ter o próximo dia no paraíso perdido. O dia primeiro é aquele em que você poderá desfrutar da Baía do Sancho praticamente sozinho, poderá mergulhar no Cachorro com a presença de pouquíssimas pessoas. Boa parte dos turistas que visitam Fernando de Noronha para o réveillon costumam fazer questão de cavar uma oportunidade de retorno. É um evento que costuma agradar não somente àqueles que gastaram mais de 2.000 reais em uma noite, mas também agrada àqueles que investiram apenas 200 reais consumindo a bebida própria no Porto até contemplar o nascer do sol nas Caieiras.

Concluindo, acredito que existe uma Ilha de Noronha para todos, tanto para aqueles que podem gastar um pouco mais, quanto para quem está com o orçamento limitado, afinal de contas basta um ano de planejamento para ter uma virada espetacular em um dos lugares mais paradisíacos do nosso planeta. Quanto a mim, um dia quem sabe ainda ei de voltar a Noronha nesta época de réveillon, mas acredite, essa ilha é um lugar que enquanto conseguir, tentarei voltar ao menos uma vez a cada ano da minha vida, quem sabe fora dessa badalação toda..., esse é o tipo de lugar para entrar em contato íntimo com a mãe natureza.

Luiz Jr. Fernandes
Autor

Luiz Jr. Fernandes

Analista de TI, empresário, fotógrafo e viajante.
Perfil do autor no , facebook e twitter.

Veja nossas últimas matérias
Clique para ver mais matérias