Já falamos o suficiente aqui no Blog Boa Viagem sobre Arequipa, Chivay e o Canyon del Colca. Esta publicação marca o ápice da minha viagem ao vale do Colca. Sem sombras de dúvidas, o Mirador do Condor é um espetáculo. Quase todo mundo que opta por fazer essa viagem a Chivay em apenas um dia também visita este lugar, mas acaba tendo o tempo final um pouco sacrificado. A vantagem em viajar por dois dias é justamente de poder descansar e pela manhã, chegar no mirador exatamente na hora em que os condores estão fazendo seu sobrevoo matinal. Nesse lugar tão distante da correria de Arequipa o visitante consegue tocar as nuvens sem fazer muito esforço.

No caso da viagem de dois dias, logo pela manhã bem cedinho, logo depois do café da manhã, a excursão sai rumo á Cruz del Condor. Este é um dos mirantes mais impressionantes de toda a viagem. De lá é possível observar a magnitude do Colca e, com sorte, você apreciará o condor em seu voo espetacular. No período em que visitei o Colca, verão no hemisfério sul, vi apenas um condor fazendo um sobrevoo pelas paisagens do Canyon, mas a recomendação de todos era que deveríamos voltar no verão, pois aí sim, veríamos vários grupos de condores sobrevoando as terraças do Canyon.

Arequipa - Canyon del Colca - Mirador del Condor
Arequipa – Canyon del Colca – Mirador del Condor – na altura das nuvens

Realmente me faltam adjetivos para conseguir expressar a realidade das paisagens vistas durante esse caminho até a Cruz del Condor. É muito incrível estar tão próximo das nuvens. A paisagem é simplesmente grandiosa. Com muita sorte você verá os condores planando na imensidão entre os paredões do Canyon com suas asas de mais de 3 metros de envergadura, sobrevoando sua cabeça, subindo e descendo. Com sorte você terá um bom zoom em sua camêra digital que conseguirá registrar com perfeição a beleza desta ave em seu habitat natural.

Se você não conseguir chegar muito cedo até o mirante, você vai acabar perdendo esse espetáculo da natureza. Isso porque as aves que têm seus ninhos nas encostas do canyon começam a sobrevoar utilizando correntes de ar quente ascendentes por volta das 8 horas da manhã. Se você está em Chivay e não faz parte de um grupo, então trate de levantar no minímo por volta das 5 horas da manhã para conseguir chegar lá nesse horário.

Visual do mirado do Condor no Canyon del Colca
Visual do Mirador do Condor no Canyon del Colca

Além de muitas peruanas vendendo artesanatos, o lugar é simplesmente tomado por vans e ônibus turísticos que levam as pessoas para fazer o passeio. O visual da cruz, com as nuvens no plano de fundo, mescladas ás cores das encostas do canyon faz com que as fotos fiquem simplesmente incríveis.

E quando apareceu um condor, todo mundo tentou fotografar, mas mesmo voando bem pertinho do lugar onde os turistas ficam, eu precisei usar o superzoom da minha câmera (26x) para registrar algumas fotos do condor fazendo seu sobrevoo.

Condor no Canyon del Colca
Condor no Canyon del Colca

Aqui é o marco onde começa o Canyon del Colca propriamente dito. Aqui ele alcança sua maior profundidade, justamente próxima á Cruz del Cóndor, cerca de 3.200 metros quadrados de profundidade.

Literalmente nas nuvens no Canyon del Colca
Literalmente nas nuvens no Canyon del Colca

Totalmente acessível de um certo modo seguro, o Canyon se revelou na sua mais transparente face em toda a minha viagem no vale do Colca. Ver um condor sobrevoando o Colca, as nuvens pairando aos meus pés e os paredões profundos dividindo os dois lados são imagens que ficaram eternizadas nas minhas recordações.

Mirante do Condor no Canyon del Colca
Mirante do Condor no Canyon del Colca

Isso é Arequipa. E volto a dizer, prezado leitor, definitivamente o Peru não se resume a Machu Picchu. O clichê da viagem que sobe pela Bolívia e vai até o Machu Picchu e que ignora o Canyon del Colca deve ser revisto e replanejado pelos viajantes. Dois dias por 70 soles e eu fui parar literalmente na altura das nuvens. Visitei lugares incríveis, me sufoquei com a altitude e vivenciei a realidade da importância da coca para um povo que es tá ambientado a sobreviver na altitude eleveda de lugares como os dessa série de matérias.

Estar na altura das nuvens me renderam fotos que vão ficar para a posteridade, assim como aquelas feitas no Machu Picchu, ou Puno, ou ainda em Arequipa. Não me arrependo por ter perdido um dia a mais em Cusco, todavia hoje, escrevendo esse último episódio dessa série de posts, sinto muito orgulho por ter me permitido viver momentos como os que tive no Vale do Colca

Tão alto quanto as nuvens no Canyon del Colca
Tão alto quanto as nuvens no Canyon del Colca

Nas próximas publicações do Blog Boa Viagem, você vai conhecer um pouco mais sobre Ica, a cidade que eu visitei depois de Arequipa, já regressando a Lima para meu voo de volta e fim dessa viagem solitária ao Peru. Vamos falar muito mais também sobre Puerto Iguazu, América Central, lugares incríveis dentro do Brasil e os planejamentos para o meu mochilão de fim de ano.


Autor
Luiz Jr. Fernandes
Sou um analista de sistemas, fotógrafo, autor deste blog e viajante profissional. Já conheci mais de 70 países em todos os continentes do mundo. As minhas matérias são 100% exclusivas, inspiradas em experiências reais adquiridas nos destinos que visito. Obrigado por ler e acompanhar o meu trabalho.
Comentários do Facebook
Um comentário publicado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *